fbpx

Quem são as mulheres que fortalecem o Rap nacional

A presença da mulher no rap nacional vem ganhando cada vez mais força. Com a internet democratizando a criação de conteúdo, somando-se o movimento feminista, algumas rappers mostram que rap não é coisa só de homem. Elas tentam driblar o preconceito na cena, conquistando seu espaço em um meio que até pouco tempo era predominantemente masculino.

Conheça algumas mulheres que ganharam destaque no rap nacional.

CYNTHIA LUZ

A rapper, que é uma das atrações confirmadas do Rap É Poesia Festival, que acontecerá em Curitiba, ao lado de Emicida, Rael e Matuê, iniciou sua carreira fazendo vídeos caseiros. Entrou para a equipe do MC Froid após o rapper conhecer mais seu trabalho.

Após o lançamento do seu primeiro álbum “Do Caos ao Nirvana“, no final de 2017, Cynthia tem se mantido ativa e relevante no hip hop, lançando singles com frequência.

O sucesso “Ela Tá Que Tá“, música mais ouvida da artista na Deezer, é uma parceria com MC Davi e Felipe Flip, e mostra que a cantora também tem excelentes conexões com o funk.

Cynthia luz sem dúvida é a voz de uma geração feminina, que veio para ficar, e espalhar amor.

TÁSSIA REIS

A rapper, natural de Jacareí, no interior de São Paulo, filha de assíduos frequentadores dos famosos Bailes Black’s que lotavam o bairro do Palmeiras em São Paulo nas décadas de 70 e 80, despertava logo na infância um gosto fino e requintado por música e pela dança.

Começou dançando hip-hop, que tem uma cena forte em Jacareí. Foram dez anos dando piruetas nas ruas da cidade, e logo começou a se apaixonar pelo universo do rap. E a compor.

Foi assim que depois de se mudar para São Paulo, aos 20 anos, e concluir o curso de graduação em Moda, aceitou os elogios que sempre recebia por sua voz e colocou em estúdio na canção “Meu Rapjazz”. Era para ser parte de uma mixtape só de mulheres, que não vingou. Mas a canção serviu como trampolim para sua carreira.
Lançada na Internet, a aceitação foi imediata, o que levou a equipe que começou a acompanha-la a produzir um clipe para a música.

Foi rompendo barreiras e driblando estigmas que Tássia conseguiu o seu espaço no cenário musical.

KAROL CONKÁ

A curitibana é uma das principais representantes do RAP feminino nos últimos tempos no país.

Karol Conka começou a rimar ainda no colégio. Depois de algumas parcerias, encontrou no produtor Nave (Emicida, Kamau, Marcelo D2, entre outros) o som que casou perfeitamente com a sua proposta de fazer um rap com sonoridade universal, aliando batidas pesadas a timbres orgânicos.

Antes de lançar seu álbum de estreia, seus três clipes oficiais já somavam mais de 1,5 milhão de visualizações no Youtube. O reconhecimento veio em indicações (Aposta VMB em 2011) e convites para participação especial em show dos Racionais MCs, além de dividir o palco com Marcelo D2, Emicida e Kamau e gravar uma música com Luiz Melodia.

No início de 2013, abriu o show de Criolo no Circo Voador. Em abril, lançou seu primeiro álbum, “Batuk Freak”, alcançando a marca de 20 mil downloads em menos de uma semana. Desde então, viaja o Brasil divulgando suas músicas cheias de peso e melodia.

Postado 18 de Janeiro de 2019
Por Samantha Rocha

Posts Relacionados

2019-01-18T11:02:16+00:00